arte Porto Alegre

Todas as cores de muitos não-tempo

Um mapa afetivo do mês do abril de 2021, o mais cruel dos meses, o mais letal da Pandemia no Brasil, com uma média de 2.500 mortes diárias. 

Trinta fotografias, uma para cada dia do mês, todas tiradas a partir do mesmo ponto de visão, o único possível em tempos de isolamento social e quarentena.

Tudo pode se repetir, sim mas nunca é igual.


O silêncio de uma irrealidade? 

Uma espera que pode ser infinita?


“eu não sabia se vivo ou morto estava, e tudo ignorava...

DEPRESSA POR FAVOR É TARDE”

T.S. Eliot, Terra Desolada.


Afinal: qual é o tempo do tempo?